Catálogos VEGA

 Vega catálogo 2016

Catálogo Novidades Vega 2016

 

Barco fundeado 

 
 

BRUNO CABRITA CAMPEÃO NACIONAL

 
  BRUNO CABRITA CAMPEÃO NACIONAL  
 


Pela primeira vez na sua carreira, o atleta do GD ‘Os Amarelos’ sagrou-se Campeão Nacional de pesca embarcada.

Bruno Cabrita mostrou sempre grande regularidade nas quatro mãos da prova — fazendo o 2º lugar no barco no primeiro dia de pesca, em Albufeira, e o 1º nas três rondas seguintes. Neste fim-de-semana, nas águas ao largo de Leça da Palmeira, essa regularidade valeu-lhe o título de Campeão Nacional, com 10 pontos de vantagem sobre o segundo classificado (Reinaldo Piloto) e 14 sobre o terceiro (João Santos). Juan Pato (35 pontos) e Ricardo Lavandeira (39) completam a Selecção Nacional que representará Portugal no Mundial do próximo ano.

Na primeira pessoa

«No Algarve, já tenho pescado várias vezes, com bons resultados, e sabia ‘ao que ia’. Mas nestas jornadas no norte ia mais ‘às cegas’, pois são águas que não conheço, apenas ouvia falar das pescas que se fazia por lá», contou ao Jornal da Pesca.

«São pesqueiros ricos em faneca, um peixe que aparece com pouca frequência cá pela zona sul e que não temos como treinar. Não é uma pesca muito fácil… não é impossível, mas também não é fácil, ela pica de um modo diferente, não se pode ferrar à bruta, pois o exemplar capturado espanta os outros e estraga tudo… É preciso fazer uma ferragem mais macia para elas não se espantarem. Felizmente, consegui adaptar-me às situações que apareciam».

Depois, foi procurar o peixe, que é algo que faço muito quando o peixe não está aos nossos pés… sou uma pessoa que trabalha muito dentro do barco, e isso contribuiu para o resultado final, sem dúvida».

Equipamento

Entre os materiais que ajudaram a este triunfo, Bruno Cabrita realça o carreto Camaro 5000, a sua primeira aposta em treinos e em competição — um carreto que já deixara excelentes impressões junto d’Os Amarelos aquando da participação no Mundial de Clubes de Pesca Embarcada, que valeu um lugar no pódio à equipa sadina.

Trata-se de um carreto com alta qualidade de construção que, apesar de pesar apenas 421 g, apresenta uma grande vocação lutadora, como se vê em detalhes como o corpo e o rotor em alumínio, as embraiagens muito robustas e precisas, os dez rolamentos inox, a manivela de combate ou o pé reforçado — e, claro, pelo drag selado de 20 kg (25 kg, no modelo 6000), com discos de carbono. Tem um ratio de 5.5:1 e traz de série duas bobines perfuradas, com capacidade para 360 m de 0.35.

No que toca às linhas, a preferência de Bruno Cabrita vai para uma solução que conhece muito bem: o F-Tech Fluorocarbon. O atleta assinala «a excelente resistência à abrasão e a memória muito reduzida» deste fio, que considera «de alto nível». Os diâmetros de 0.205 a 0.235 são os usados para os seus estralhos e o 0.255 e o 0.285 para as madres. «É raro estar alguém desta equipa a pescar sem uma destas bobines de 50 m por perto…». ■
 
  MATERIAIS UTILIZADOS  
     
  Camaro 5000   F-Tech Fluorocarbon  
 

Para todos graus 
de exigência 

 

Na competição...
e muito mais!

 
  Camaro (na imagem, o 6000)   F-Tech Fluorocarbon  
     
 


PRÁTICOS & ÚTEIS

Lançamentos
mais longos
e menos rupturas

Os pescadores de surf casting preocupam-se em atingir distâncias de lançamento cada vez maiores, com muitos a ultrapassar os 150 m e alguns a ambicionar chegar ainda mais longe. 

Potenza Double Shock Leader

Mas isso coloca exigências especiais aos fios, que são cada vez mais finos; hoje são comuns diâmetros abaixo do 0.26, com muitos pescadores a montar linhas de 0.21 ou mesmo 0.14 mm nas suas bobines! Tudo para que o atrito reduzido destas linhas lhes permita pescar mais longe. 

Porém, estes diâmetros não aguentam os impactos e as exigências próprias dos lançamentos longos. Os pescadores recorrem, assim, a terminais de linhas mais grossas, o que aumenta exponencialmente o risco de rupturas — um nó entre linhas de espessura diferente é um ponto de união muito frágil, com uma resistência de menos de metade da do fio mais fino. Além disso, os nós criam atrito, diminuem as distâncias e provocam cabeleiras.

Para ajudar os pescadores a fazer face a este problema, a Vega lançou um inovador fio para carreto que já inclui o shock leader, neste caso sem necessidade de nós — isso elimina os pontos fracos, mantendo a resistência e fluidez possível durante o lançamento, eliminando também mais um ponto de fixação de algas ou outros detritos quando na sua presença. 

Este fio chama-se Potenza Double Shock e, como o nome indicia, tem duas pontas cónicas; assim, em caso de ruptura, o pescador pode inverter o fio e utilizar a outra ponta de choque cónica. Vem em bobines de 300 m, sendo 270 do diâmetro mais fino, 10 do mais grosso (em cada extremidade) e 5 de transição cónica entre o mais fino e o mais grosso. Está disponível em quatro diâmetros: 0.18/0.47 mm, 0.20/0.47 mm, 0.23/0.50 mm e, por fim, 0.26/0.50 mm, incluindo um tratamento duplo de silicone para grande resistência à abrasão. 

Tem apresentado excelentes resultados no surf casting, com grande resistência e permitindo alcançar distâncias de lançamento antes não possíveis a muitos pescadores. Experimente e deixe de ver as suas montagens a romper pelos nós assim que faz lançamentos longos! 

 

PARCEIROS INSTITUCIONAIS

 

  Chronopost           Mútua dos Pescadores    

 

  • © VEGA                                                                                                                                                                                                                                                                                 DUALWEBS